Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Chispes e Couratos

Neste espaço não se discriminam gostos, fetiches, taras, manias, desvarios ou inclinações gastronómicas. Só não toleramos seguidores fanáticos do tripadvisor.

Chispes e Couratos

Neste espaço não se discriminam gostos, fetiches, taras, manias, desvarios ou inclinações gastronómicas. Só não toleramos seguidores fanáticos do tripadvisor.

13
Abr18

Demasiado imaturos para esta carne maturada

JP

IMG-20180412-WA0001.jpg

O facebook acaba de me informar que os meu amigos Paulo Marques, Alexandra Silva e mais 10 pessoas gostam da Taberna do Lopes. Respeito os gostos dos meus amigos, mas a boa saúde dos relacionamentos exige que se preservem alguns espaços proibidos, temas virgens e inexplorados. O Carlos Cruz teria amigos para falar de família, de projectos televisivos, bolhas imobiliárias e até de mulheres, mas teria um grupo muito específico para falar de miúdos. E as nossas relações harmonizam-se em torno de certos nichos temáticos.

O algoritmo do Facebook parte do princípio que queremos saber tudo sobre os nossos amigos e está sistematicamente a violar o nosso direito ao pudor.

Todos os dias descubro que os meus amigos gostam da NOS, da Skip, do arroz Cigala (parecem perfis dadaístas), da Brisa (no meu tempo, ninguém gostava da Brisa), da EDP (isto, então, é absurdo, porque não sou amigo de nenhum elemento do Conselho de Administração), do FMI (sim, eu tenho 11 amigos que gostam), do Montepio (ninguém no seu perfeito juízo, consultando as taxas que paga e os juros que recebe, pode gostar de um banco), do PNR (sete amigos nacionalistas) e temo que um dia destes vou descobrir que vários amigos gostam das Finanças de Portugal. Hipócritas. Contudo, e fui verificar, não tenho um único que goste da página do youporn ou do redtube. Definitivamente, não vos conheço.

Captura de ecrã 2018-04-13, às 12.42.58.png

(Retiro o que disse em relação à EDP. É impossível não gostar de uma empresa com um Vogal do Conselho de Administração tão fofinho).

Eu que já fui à Taberna do Lopes pagar 55€ (por pessoa) a beber vinho da casa, comer uma ou duas entradas, uma sobremesa e a famosa posta de carne maturada para três, fiquei com a certeza de que não conheço os meus amigos. Que todos usam máscaras para interpretar os diversos papéis sociais, já se sabe, mas também não precisam de representar para o óscar. É excessivo, levam a interpretação para o nível dum método do Actors Studio.

Quando estão comigo, mostram-se pessoas perspicazes, com um respeitável palato, currículo gastronómico, de intuição apurada e que honram o custo físico e moral do dinheiro. Agora descubro que por baixo desta imagem sedutora, esconde-se talvez um longo historial de abusos à mesa. Faz-me reviver a profunda desilusão com as denúncias ao Kevin Spacey e, pior ainda, do choque quando surgiram as acusações ao Woody Allen.

Caros amigos Paulo Marques e Alexandra Silva, vocês gostam da Taberna do Lopes porque gostam mesmo, por puro niilismo, estratégia de marketing pessoal, posicionamento político-ideológico ou foram cliques gerados pelo impacto de ondas gravitacionais?

A Taberna do Lopes não é um mau restaurante, não senhor. Está asseadinho, tem preços por todo o lado, já a avisar “depois não bufem”, e tem um dono que em cada duas frases solta um preço. Uma coisa é certa, queixas do consumidor por falta de informação de preços, não vão receber. A taberna do Lopes é o meu ideal de banco: “este cartão é TOP, ou não custasse 100€ por ano, esta conta a prazo é tão boa, tão boa que você até paga para guardarmos aqui as suas poupanças e este é o melhor crédito do mercado, mais caro não encontra”.

A Taberna do Lopes orienta-se por um princípio, assente num eixo empenado, de que o preço é o melhor certificado de qualidade de um produto.

Não somos especialistas em carnes maturadas, por isso nem vamos falar se era jeitosinha ou só assim-assim. Mas se aquela é a melhor carne maturada que há, então deixem-me que vos diga: ainda somos demasiado imaturos para uma carne com tanta maturidade.