Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Chispes e Couratos

Neste espaço não se discriminam gostos, fetiches, taras, manias, desvarios ou inclinações gastronómicas. Só não toleramos seguidores fanáticos do tripadvisor.

Chispes e Couratos

Neste espaço não se discriminam gostos, fetiches, taras, manias, desvarios ou inclinações gastronómicas. Só não toleramos seguidores fanáticos do tripadvisor.

02
Nov18

Couves com feijões (Couvada para os íntimos)

JP

Meter ao barulho de qualquer conversa um “couves com feijões” é falar de “dildos no cú”, tem um efeito devastador no imaginário de muitos portugueses, suspende o gozo todo, dispara os airbags.

As couves e os feijões são a símbolo do modelo educativo dos últimas décadas em Portugal, qualquer designer utilizaria couves e feijões ao criar um logótipo para a pedagogia familiar portuguesa.

IMG_1239.jpg 

As famílias promoviam a dicotomia “isto é o que tu gostas e é bem bom” vs ”isto é o que te faz bem mas é um biscate para comer”. As couves e os feijões apareciam sempre deste lado do versus, mal tratados, pobres em sabores, para credibilizar a ideia de que fazia mesmo bem, efeitos da moral católica, o bem e o prazer não se devem encontrar. Milhões de portuguesinhos foram seviciados nos seus lares com estes tratamentos à mesa e, inevitavelmente, desenvolveram profundos traumas com a comida. Muitos são hoje uns pervertidos, incapazes de ter uma relação saudável com a gastronomia tradicional, com mais danos emocionais acumulados do que se tivessem passado pela guerra colonial: horror a sopas, medo de couves e feijões, suores com favas, tremuras com gorduras (um bom nome para restaurante de carne) e a acumular relações de submissão com comida italiana e pratos beldades de instagram.

O povo é filho da mãe, refiro-me ao povo, ao povo mesmo povo e não ao povo dos políticos, os eleitores. O povo que me interessa é constituído por gente manhosa e arisca que tem de se desemerdar perante os grandes desafios que a vida lhes coloca. Se só há pão velho, não chamam a CMTV, nem vão pressionar a assistente social, nem fazem greve, inventam a açorda. Ora foi este povo que percebeu que a couve-galega, endurecida pelo frio, misturada com feijão amarelo, não tinha de ser um frete. Se tem de se comer, que pelo menos saiba bem, muito bem, e vai daí juntaram-lhe azeite, vinagre e alho e criaram uma iguaria viciante.

As couves com feijões são servidas a partir do Outono (é aproveitar enquanto há Outono) intensifica-se pelo Inverno adentro e são acompanhadas adivinhem lá com que carne. O povo não é parvo e nunca lhe passaria pela cabeça servir uma iguaria assim como complemento saudável de um assado ou de um peixe grelhado. O porco que, nesta estação das facas longas estava a guinchar um pouco por todo lado, ofereceu o melhor acompanhamento, os ossos de assuã, costelas e entremeadas.

Chegados aqui, e a darem-me algum benefício da dúvida, estão a pensar “catano, se é assim tão bom, vou já ali ao Continente arranjar material, cozo tudo e vamos ver se eu é que andei enganado estes anos todos”. Pois bem, se o fizerdes, tereis a confirmação de que a vossa formação superior para nabos foi um estrondoso sucesso.

O segredo da comida tradicional está na qualidade dos produtos, na sua produção exposta aos elementos naturais e isso não se encontra nos hipermercados.

Estão à espera de uma recomendação, só posso dar uma: restaurante Adelaide, em Vieira do Minho. Foi aqui que fiz a minha iniciação a este prato e foi tão excepcional que ainda não me atrevi a experimentar noutro sítio.

No restaurante Adelaide há ali sabedoria, sensibilidade e uma mão especial para assados, estufados, para os pratos típicos da região.

Por isso, em boa verdade vos digo: ide e comei, mas marcai primeiro. Couves com feijões não é iguaria que se sujeite a pré-confecção, não se dá bem em frigoríficos e não tem a vulgaridade de prato do dia. É acompanhante de luxo, raramente tem disponibilidade e é só para alguns clientes.

WhatsApp Image 2018-11-02 at 11.29.41.jpeg