Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Chispes e Couratos

Neste espaço não se discriminam gostos, fetiches, taras, manias, desvarios ou inclinações gastronómicas. Só não toleramos seguidores fanáticos do tripadvisor.

Chispes e Couratos

Neste espaço não se discriminam gostos, fetiches, taras, manias, desvarios ou inclinações gastronómicas. Só não toleramos seguidores fanáticos do tripadvisor.

22
Out08

Quem tramou o frango de churrasco?

JP

O frango de churrasco é seguramente a "personagem" mais injustamente maltratada da nossa gastronomia.
Realidade insofismável: Todos os portugueses gostam de frango de churrasco. Não há, nunca houve e provavelmente jamais haverá alguém que diga, em plena consciência, que não gosta de frango de churrasco. Os seres humanos e os frangos de churrasco têm uma longa e bonita caminhada em comum pela história do mundo.

O frango tem sido aquele que mais presente esteve nas nossas vidas, que estava lá quando mais nenhum outro esteve. Em tempos de crise, o frango nunca nos faltou e estou certo nunca faltará. O mesmo não se pode dizer do cabrito, do borrego, da vitela, sempre emproados e a fazerem-se de difíceis; do porco, sempre a exigir grandes investimentos e imensos trabalhos, entre muitos outros, para não estar aqui a dizer certas verdades sobre alguns que só começam a aparecer quando já há carcanhol. Além disso, o frango não é tão discriminatório como a vitela: a coxinha, que é o melhor, é um bocadinho mais cara, mas temos umas asas a metade do preço. Não senhor, o pobre animal ou vem todo escarrapachado ou partido ao meio, do pescoço ao rabo, sem variações de preço.
A carne do frango não sabe a nada de esquisito, não tem uma aspecto estranho, se é seca de um lado é húmida no outro, se é ossuda em certas regiões é carnuda noutras, não precisa de molhos para disfarçar sabores mais fortes. Não há argumentos para se não gostar.
Então porquê esta discriminação? Ninguém aponta o frango de churrasco como o prato favorito. Dir-me-ão que o estão sempre a comer. Será? Não acredito. É como um casamento, as pessoas pensam que o outro está garantido, basta querer e é já, e passa-se o tempo a sonhar com outros menús. Sem darmos por ela transformamos os nossos companheiros em frango de churrasco: é o prato do dia, não é preciso encomendar, basta querer, mas se pusermos a mão na consciência descobre-se que até já nem comemos frango de churrasco há dois meses.
O frango de churrasco é maltratado. Ninguém pede um bom vinho com frango de churrasco. Um restaurante para se assumir como mais "IN" tem de varrer do seu menú o frango de churrasco. Mas atente-se na injustiça, ficaríamos revoltados se fossemos a um restaurante que apresentasse: perdiz estufada com manteiga de hortelã, salteada com bacon, acompanhada de batatas fritas, travessa de arroz e salada. Mas esta é a realidade do frango de churrasco, ninguém se lembra que podia merecer uma batatinha a murro ou um arroz um pouco mais colorido. Não, basta ensopar umas batatas em óleo, fazer uma pasta de arroz e borrifar com vinagre umas folhas de alface. Para o frango pode ser, mas cuidado, se for a Sedona Vitela ou o Mister Faisão, não senhor.
Se o funcionário estiver a regar o frango de suor e perdigotos, a coçar as entre-nádegas e a raspar a carne queimada com a unha, OK, é normal, é uma churrasqueira, o calor das brasas limpa tudo.
Esta semana fui comprar um frango para passar melhor uma noite de solidão em casa (cá está, ficamos sós e em quem pensamos?). Sento-me no sofá em slips e com uma t'shirt sem mangas, em meias, com a travessa de frango e uma garrafa de cerveja pronta no chão. Já com uma coxa quase a desaparecer pensei: o que é isto, o frango não merece mais? Senti-me indigno daquele frango. No que é que eu me estou a transformar? Eu sou um monstro (um pensamento relativamente normal quando nos vemos em slips, escarrapachados no sofá com uma coxa de frango entalada nos dentes).
Levantei-me e com um resto de dignidade que ainda me sobrava fui vestir umas calças, uma camisa de algodão, calcei uns sapatos desportivos, penteei-me e acompanhei o frango para a mesa. Abri uma garrafa de vinho verde loureiro e entreguei-me emocionado ao momento. Se não valorizamos quem está sempre do nosso lado, não merecemos o respeito de ninguém.
Diariamente, milhões de frangos morrem por nós e todos parecemos não dar valor a esse sacrifício. Será que ele não nos merece um pouco mais de dedicação e atenção? Temos de investir na relação com o frango de churrasco e devolver-lhe a dignidade e o espaço que lhe pertence. Vamos denunciar e apontar o dedo a todas as churrasqueiras que violam os direitos fundamentais do frango de churrasco.

1 comentário

Comentar post