Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Chispes e Couratos

Neste espaço não se discriminam gostos, fetiches, taras, manias, desvarios ou inclinações gastronómicas. Só não toleramos seguidores fanáticos do tripadvisor.

Chispes e Couratos

Neste espaço não se discriminam gostos, fetiches, taras, manias, desvarios ou inclinações gastronómicas. Só não toleramos seguidores fanáticos do tripadvisor.

18
Out08

Mandamentos “Novas Oportunidades”

Convidado

No Outono, o número de pecados cometidos pelos portugueses aumenta. Se há aqueles que respeitam as regras universais do 'Saber Comer é Saber Viver', outros há que gostam de viver sem qualquer código de conduta. Para aqueles que raramente são postos à prova ou que nunca leram o manual das tentações, convido-vos a comungar da nova Tábua – Os Mandamentos “Novas Oportunidades”:

1. Adorar a Caça (Javali, Coelho, Lebre, Perdiz,...) e amá-la sobre todas as coisas
2. Invocar o Santo Bacalhau com fervor
3. Não guardar o Cozido à Portuguesa só para Domingos e festas
4. Honrar todas as especiarias (noz moscada, cominhos, caril, açafrão, colorau, alecrim, tomilho, oregãos...) porque são elas são nossas amigas
5. Não matar a fome com “qualquer coisa”, mas com feijoadas, tripas e/ou caldeiradas
6. Pecar com o Deus Chocolate (venha ele dos Alpes Suíços, Franceses, de la Belgique, ou made in Portugal, o importante não é o tamanho, mas a qualidade e o que se pode fazer com ele – Mousse, Bolo, Tarte, Torta, Charlotte, Salame, Trufas, Gelado, Pudim, Tronco de Natal (Bûche de Nöel), Pavê, Fondue, Molho, Sonho...ai, que dotado!)
7. Furtar (+/- = Degustar) uns bons petiscos na casa da mãe (orelha de porco com molho verde, chouriça na brasa, presunto e salpição com broa de centeio cozida em forno de lenha, bolo de carne à transmontana, moelinhas picantes)
8. Não levantar falsos testemunhos sobre a higiene e segurança das Tascas portuguesas
9. Desejar o Cabrito, Borrego ou Anho em qualquer altura do ano
10. Cobiçar as aves (Galinha, Pato, Péru...) caseiras

 

Um texto de A. Corunha

 

1 comentário

Comentar post