Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Chispes e Couratos

Neste espaço não se discriminam gostos, fetiches, taras, manias, desvarios ou inclinações gastronómicas. Só não toleramos seguidores fanáticos do tripadvisor.

Chispes e Couratos

Neste espaço não se discriminam gostos, fetiches, taras, manias, desvarios ou inclinações gastronómicas. Só não toleramos seguidores fanáticos do tripadvisor.

05
Jul09

Que futuro para a sardinha?

Paulo

Nos últimos tempos participei em algumas sardinhadas, acontecimento muito típico do mês de Junho por causa das festas dos santos populares, e dois aspectos deixaram-me muito preocupado. Em primeiro lugar, a cada vez maior intromissão de carnes no evento e, em segundo lugar, a cada vez menor apetência dos jovens pela sardinha. Dizer que se vai a uma "sardinhada" começa a deixar de fazer sentido, trata-se cada vez mais de uma “febrada” ou “salsichada”, enfim, de uma "churrascada" em que a sardinha é apenas um dos elementos participantes. Entremeada, fêveras ou salsichas estão a ganhar uma quota importante e até demasiado relevante. Às vezes até parece que a sardinha já só aparece para manter a tradição ou para servir de entrada para as carnes como se estas fossem o realmente importante. Custou-me muito testemunhar em duas das três sardinhadas em que participei, pessoas a desdenhar a sardinha e a dizer, de modo quase snob, "ai, estou a guardar-me para a carne". Por um lado, eu até não me importo com isso, porque desforro-me a comer sardinhas, não me fico pelo meu quinhão e atiro-me ao quinhão dos carnívoros. Mas, por outro lado, dói-me a alma de ver que são os mais jovens os que mais desdenham, aliás, não me recordo de ter visto algum abaixo dos 20 anos a comer sardinhas, o que me faz ficar muito preocupado em relação ao futuro da sardinha. Porque são os jovens de agora que vão controlar, daqui a uns anos, os circuitos alimentares, que vão ter peso decisório, seja como produtores, intermediários ou consumidores, naquilo que se vai comer. E, assim, o peixe vai acabar por desaparecer das nossas mesas, a começar pela sardinha, e o investimento actual nas frotas pesqueiras vai ser direccionado para a produção de hambúrgueres e pizzas, acredito que mesmo as “barriguinhas” só vão existir na altura das festas populares. E pelo ar de desconsideração, e até de nojo, que os mais jovens dedicam à sardinha, provavelmente até será proibido, no futuro, o seu consumo, pelo menos em espaços públicos.

2 comentários

Comentar post