Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Chispes e Couratos

Neste espaço não se discriminam gostos, fetiches, taras, manias, desvarios ou inclinações gastronómicas. Só não toleramos seguidores fanáticos do tripadvisor.

Chispes e Couratos

Neste espaço não se discriminam gostos, fetiches, taras, manias, desvarios ou inclinações gastronómicas. Só não toleramos seguidores fanáticos do tripadvisor.

30
Abr09

Quem pediu uma Revolução de Abril?

JP

35 anos depois do 25 de Abril muitos portugueses continuam sem saber o que representou a revolução para o país. Provavelmente, o aspecto mais positivo do 25 de Abril foi a implantação dos churrascos no quotidiano dos cidadãos.  Foi graças à descolonização que obrigamos a regressar à base os portugueses das colónias e, com eles, milhares de  churrasqueiras com os seus frangos ao piri-piri, costelinhas e salsichas grelhadas. Uma mudança que veio alterar a face de Portugal. Os frangos abertos e espalmados deram um enorme impulso à nossa economia, dinamizando as indústrias aviárias, de papel de embrulho, piri-piris, pincéis, palitos, aventais, sacas de plástico e, obviamente, a serralharia, que ajudou a colocar a palavra churrasqueira e a imagem de um frango em todas as freguesias deste país. 

Com este negócio floresceu o das cervejas e também o dos vinhos. Para mim, um dos impactos mais negativos da revolução. Com as churrasqueiras, milhões de portugueses tornaram-se consumidores crónicos de Terras D'El Rei, cujas verdadeiras consequências ainda não foram devidamente estudadas.
Outro dos equívocos do 25 de Abril tem a ver com a sua amplitude. A fazer-se uma revolução, também não era preciso ser para tudo e para todos. Sem um regime autoritário era impossível manter milhões de portugueses em ambientes rurais para nos produzirem as nossas preciosidades gastronómicas: carnes tenrinhas e caseiras, enchidos, legumes frescos e a boa cozinha em panelinhas de barro e fogões a lenha. E isso está irremediavelmente perdido. Quer queiramos quer não, a revolução veio permitir que os avós e os tios, que antes todos tinhamos na aldeia e que nos garantiam o acesso aos melhores produtos da nossa terra, abalassem para as cidades. Atrevo-me a dizer que a figuras do tios e do avós perderam quase toda a importância e utilidade, e acabarão mesmo por desaparecer, agora que já não estão ligadas ao acesso a batatas, alfaces, vinhos, galinhas, coelhos, porcos e vacas, etc. Até hoje, nenhum dos cabecilhas da revolução veio a público assumir: "Eu ajudei a destruir as bases do nosso país rural e empenado que tornavam possível esta maravilhosa gastronomia e por isso mereço ser castigado". Ainda por cima, vindo dos militares que, como todos sabemos, são dos maiores promotores da gastronomia nacional.
Felizmente, eles estão ligados a outros aspectos positivos no 25 de Abril. Com a revolução vieram os jantares anuais comemorativos do movimento e, mais importante ainda, os almoços dos batalhões e companhias de ex-combatentes no ultramar. Sem dúvida, um impulso extraordinário para o crescimento da restauração nacional. Graças a este novo fenómeno floresceram quintas e restaurantes com pelo menos 300 lugares sentados pelos distritos de Leiria, Santarém e Coimbra.
Contudo, 35 anos depois da revolução não devemos colorir a história com as cores que nos agradam mais. Chegou a altura de fazer um tributo a líderes como Salazar e ao seu papel fundamental e determinante na construção da nossa identidade. Como se costuma dizer, "a rica gastronomia que hoje temos deve tudo à nossa pobreza". Foram estes líderes carismáticos e fundamentais que, ao longo dos séculos, também ajudaram a manter o nosso país numa decisiva pequenez e numa situação económica e cultural lastimável, sem a quais não teríamos a mesa que temos hoje. E os resultados estão à vista de todos: cozidos, açordas, caldeiradas são um enorme património que só podemos agradecer a tudo e a todos que criaram as condições para potenciar a nossa criatividade gastronómica. Seria importante que os portugueses reflectissem muito bem sobre o caminho que pretendem percorrer daqui para a frente.

3 comentários

Comentar post