Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Que a churrascada caseira está em crise, já não é novidade para ninguém. Depois dos pungentes anos 90, em que o churrasco parecia impor-se como o mais importante foco de convívio entre os cidadãos, eis que assistimos, impassíveis, ao seu declínio. Há 10 ou 15 anos poucos ouviram as minhas palavras, quando alertava para sinais de fraqueza desta instituição. Na altura, fui apelidado de Velho do Restelo, chato, voz do contra e mete nojo.


Há cerca de 20 anos cresceu em Portugal um forte movimento que advogava que para se viver bem tinha de se investir numa moradia - isolada, em banda, gaveto ou geminada - com um logradouro para uma churrasqueira. Milhares de Portugueses endividarem-se para adquirir casas muito acima das suas posses, enfeitiçados por essa imagem dourada do marido a virar carne na grelha enquanto a esposa preparava um arroz soltinho, umas saladas e/ou uma batatas.
Os bancos e o meio imobiliário financiavam esta fantasia, fazendo movimentar biliões e o país parecia prosperar. Os portugueses estavam inebriados, viam-se a churrascar frangos, tiras de barriga, fêveras, salsichas e, até, picanha. Os maridos felizes e as crianças conscientemente a transportarem travessas. O cão obediente e brincalhão, exibindo acrobacias e contribuindo para o crescimento intelectual das crianças. O copinho de vinho no beiral e os raios de sol despejados sobre o amplo logradouro. Bonito, sem dúvida, mas uma farsa.
Tão farsa, que os grandes lobbys foram ainda mais longe: criaram essa fantasia dos convívios com os amigos no logradouro. Homens divertidos, de sweatshirt e calções, a partilharem o trabalho na grelha, outro a preparar sangrias, outro a surpreender com uns martinis ou uns mojitos, outro a cortar delicadamente o pão; as mulheres, bonitas e sensuais, com grandes decotes, a prepararem surpresas na cozinha e a animarem a festa com ditos provocantes.
Na época, eu dizia: mas que é isto? Que palhaçada é esta?

A realidade veio dar-me razão: se nada for feito, Portugal arrisca-se a ficar com milhões de churrasqueiras de jardim abandonadas e decadentes.
Afinal, o que está a matar o churrasco caseiro?
Em primeiro lugar, falta formação nas nossas escolas para trabalho no churrasco. Actualmente, quem «churrasca»  são jeitosos que foram aprendendo com experiências mas a quem falta certificação profissional. Consequências: nos convívios falta mão-de-obra qualificada para grelhar e o impacto nos produtos finais chega a ser catastrófico.
Em segundo, cedo se percebeu que os cenários idílicos eram desadequados à realidade. Virar carnes não é fácil,  o calor irrita e a vontade de começar a comer tortura o responsável. As crianças, como eu já alertava em meados dos anos noventa, têm vindo a desenvolver atitudes completamente contrárias às necessidades num churrasco: correm, saltam, partem coisas, não chegam o sal, não trazem nem levam recados e a lei portuguesa tem vindo a caminhar no sentido de as tornar praticamente inimputáveis. Na verdade, há já uma teia jurídica complexa que impede um pai de «chegar a roupa ao pelo» a uma criança. E ao nível dos petizes, os cães. Fazem barulho, saltam perigosamente junto das travessas e só imploram carne, que depois nem a comem. Mais uma vez, os constitucionalistas o que fizeram? Criaram um emaranhado de direitos para os caninos, que impede que se faça justiça em milhares de jardins deste país.

Mas a situação mais alarmante verifica-se precisamente nos encontros de amigos. Eu diria mesmo: o pior dos comportamentos humanos, o mais vil que reside no homem, vem sempre ao de cima em situações stressantes e de limite. As piores são claramente os incêndios, sequestros e churrascos. É degradante ver como se desce tão fundo: ver amigos, vizinhos, conhecidos, doutores de Coimbra, engenheiros, policiais, políticos, juízes, educadores a porem em causa os princípios basilares em que se estruturou a civilização ocidental. Os primeiros pedaços de carne a saírem da grelha, a  serem cortados e já uma matilha esfomeada, um exército de palitos a invadir as travessas. Atropelos, tudo disfarçado com sorrisos e piadinhas, mas que na verdade não camufla esta pouca vergonha. Já o mesmo se costuma passar nas mesas dos restaurantes. Quando o funcionário traz a alheira por cortar, enquanto um dos convivas vai serrando o enchido, os outros fazem-se distraídos e começam a picar. Por isso é que ninguém quer serrar a alheira, porque fica em desvantagem. A quantos de nós já não nos apeteceu espetar um garfo numa daquelas odiosas mãos armadas de palitinhos. Uma vergonha.

Para finalizar, falta uma lei ajustada à realidade. Todos nós sabemos que quem fica na churrasqueira, fica sozinho, ninguém vai até lá fazer conversa enquanto houver batata frita, vinho, cerveja e as carnes nas mesas. Tem de haver uma escala que garanta o revezamento no pessoal que vai lá dar duas de treta. Para além disso, é necessário garantir uma percentagem de 5% das carnes que saem da grelha ao homem que trabalha, para que não tenha de estar atormentado com a ameaça de estar a perder as melhores carnes.

Só com estes pequenos incentivos conseguiremos atrair mais jovens talentos às churrasqueiras dos logradouros deste país.

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Imagem de perfil

De Marco a 02.04.2009 às 10:22

Não esquecer na nova lei a implementar, a obrigatoriedade de um quadro rotativo de homens na grelha assim como uma contabilização de horas homem / churrasco para garantir a igualdade na distribuição das horas passadas ao lume nas patuscadas!

Escelente reflexão sobre a problemática dos churrascos... um olhar diria até acutilante!
Sem imagem de perfil

De O Primitivo a 10.04.2009 às 16:00

Caríssimos, só posso ser solidário com mais esta vossa luta, pois o abandono da churrasqueira resulta naturalmente do mito urbano de que as gorduras saturadas fazem mal ao coração, instituído pelo Dr. Ancel Keys nas décadas de 50 e posteriores. Situação muito paradoxal esta, pois a evidência epidemiológica mostra exactamente o contrário: os consumos elevados de gordura, de qualquer tipo, parecem ser cardio-protectores. Inclusivamente, os povos hiperlipídicos do norte de Portugal são dos mais imunes, razão de o Canibais e Reis, neste seu último artigo, sobre a variabilidade regional europeia na doença cardiovascular, ter instituído o designado Paradoxo Chispesiano. Se possível, pedia-vos a gentileza de nos divulgarem, em artigo específico, quais são exactamente essas iguarias gordurosas que mantêm o vosso sistema cardiovascular tão maravilhosamente bem oleado e em exemplar boa forma circulatória.
Imagem de perfil

De Paulo a 10.04.2009 às 16:11

Fabuloso! Já demos origem à criação de um paradoxo!
A ler: http://www.canibaisereis.com/2009/04/10/mortalidade-cardiovascular-europeia/
Imagem de perfil

De Marco a 13.04.2009 às 10:54

Não tinha ainda constatado este novo Paradoxo Chispesiano que com todo a certeza irá ser origem para vários compêndios e teses de estudo.
Os parabéns ao autor pelo levantamento deste paradoxo!

Comentar post




Arquivo

  1. 2017
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2016
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2015
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2014
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2013
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2012
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2011
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2010
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ
  105. 2009
  106. JAN
  107. FEV
  108. MAR
  109. ABR
  110. MAI
  111. JUN
  112. JUL
  113. AGO
  114. SET
  115. OUT
  116. NOV
  117. DEZ
  118. 2008
  119. JAN
  120. FEV
  121. MAR
  122. ABR
  123. MAI
  124. JUN
  125. JUL
  126. AGO
  127. SET
  128. OUT
  129. NOV
  130. DEZ